31/07/2011

O FUNDO DO MAR...


COMO NÃO DIVIDIR COM OS AMIGOS ESTA MARAVILHA!
Recebido por email, criado por Adriane e fotos da internet e adaptado, como Slide, para o Blog ccelle ornamental.

30/07/2011

PRIMAVERA EM FLOR

LIGAR O SOM AO LADO

                                            




29/07/2011

O PONTO NEGRO

         Caros amigos, este texto é para nossa reflexão e, é uma grande lição de vida!

imagem do google

Certo dia, um professor chegou na sala de aula e disse aos alunos para se prepararem para uma prova relâmpago.
Todos acertaram suas filas, aguardando assustados o teste que viria.
O professor foi entregando, então, a folha da prova com a parte do texto virada para baixo, como era de costume.
Depois que todos receberam, pediu que desvirassem a folha.
Para surpresa de todos, não havia uma só pergunta ou texto, apenas um ponto negro, no meio da folha.
O professor, analisando a expressão de surpresa que todos faziam, disse o seguinte:
- Agora, vocês vão escrever um texto sobre o que estão vendo.
Todos os alunos, confusos, começaram, então, a difícil e inexplicável tarefa.
Terminado o tempo, o mestre recolheu as folhas, colocou-se na frente da turma e começou a ler as redações em voz alta.
Todas, sem exceção, definiram o ponto negro, tentando dar explicações por sua presença no centro da folha.
Terminada a leitura, a sala em silêncio, o professor então começou a explicar:
- Esse teste não será para nota, apenas serve de lição para todos nós. Ninguém na sala falou sobre a folha em branco.
Todos centralizaram suas atenções no ponto negro. Assim acontece em nossas vidas.
Temos uma folha em branco inteira para observar e aproveitar, mas sempre nos centralizamos nos pontos negros. A vida é um presente da natureza dado a cada um de nós, com extremo carinho e cuidado.
Temos motivos para comemorar sempre. A natureza que se renova, os amigos que se fazem presentes, o emprego que nos dá o sustento, os milagres que diariamente presenciamos. No entanto, insistimos em olhar apenas para o ponto negro!
O problema de saúde que nos preocupa, a falta de dinheiro, o relacionamento difícil com um familiar, a decepção com um amigo.
Os pontos negros são mínimos em comparação com tudo aquilo que temos diariamente, mas são eles que povoam nossa mente.
Pense nisso!
Tire os olhos dos pontos negros de sua vida. Aproveite cada bênção, cada momento que a natureza lhe dá. Creia que o choro pode durar até o anoitecer, mas a alegria logo vem no amanhecer.
Tenha essa certeza, tranqüilize-se e seja .... FELIZ



 

28/07/2011

UMA LIÇÃO DE VIDA


Vejam que coisinha mais linda!
Já viram coisa igual?
Ternurinhas

27/07/2011

MozART GROUP www.mozartgroup.org


Arte, cultura e diversão para vocês!
Confiram...

MONUMENTO À INCOMPETÊNCIA

MontBlanc alpinismo

Em 1999 o corpo do alpinista inglês George Mallory foi encontrado a cerca de
8.200 metros de altitude no monte Everest. Mallory desapareceu em junho de
1924 quando estava próximo ao cume. Uma afirmação de um dos alpinistas que
encontrou o corpo me chamou a atenção:
"Fiquei impressionado com as roupas que ele usava. Hoje em dia, no inverno,
qualquer pessoa caminhando pelas ruas de Seattle está mais protegida do que
Mallory no Everest em 1924."

"Lembrei-me dessa história durante uma visita que fiz a uma empresa na qual
fui recebido pelo principal executivo, que fez questão de se identificar
como CEO - Chief Executive Officer. Bonito né? Depois fui apresentado para o
CMO, o CFO e o COO, executivos de marketing, finanças e de operações,
respectivamente. Todos jovens MBAs formados no exterior.
Ao percorrer a empresa passamos por salas vazias, mesas vazias e grandes
áreas vazias. E os jovens CEO, CFO, CMO e COO diziam com orgulho: "Isto aqui
já esteve apinhado de gente. Fizemos uma reestruturação ao longo dos últimos
dois anos e reduzimos em 45% o numero de pessoas, enquanto nossa
produtividade cresceu 22%! Fazemos questão de deixar esses lugares à vista
de todos. São nosso Monumento à Incompetência."
Em minha palestra O Meu Everest afirmo que um dos ensinamentos mais
importantes da viagem ao Campo Base da maior montanha do mundo foi aprender
que, a cada vez que olhasse para cima, eu deveria olhar cinco vezes para
baixo. Quem pratica montanhismo sabe do que estou falando. Quando você está
no pé da montanha e olha a trilha que vai subir, dá um frio na barriga. Você
vê as pessoas lá em cima, como formiguinhas, e sabe que para chegar lá terá
que fazer uma escalada de oito, nove horas. Então ataca a montanha. Um
passinho aqui... outro ali... num processo penoso. Quando olha para cima,
percebe que seu objetivo ainda está muito longe, mas ao olhar para baixo a
mágica acontece. Você descobre que o campo base de onde saiu está láááááá
embaixo. Cada olhada para baixo dá a certeza de que você progrediu, gerando
energia para subir mais. Isso é automotivação: a certeza do progresso nos
empurra para cima.

O que aqueles jovens COs chamaram de "Monumento à Incompetência" é na
verdade a lembrança dos pioneiros que, com a carga às costas, sem
computadores, celulares e internet, assumiram o risco de sair lá do "campo
base" para desenvolver o negócio que eles hoje dirigem. Avaliar o passado
pelas lentes do presente e chamar de "incompetência" o esforço das pessoas
que passaram pelos anos de hiperinflação, incertezas, regime fechado,
tecnologias rudimentares, abertura econômica e dólar alto é como observar
hoje as roupas de George Mallory e achar que ele era um incompetente. Não
era. Usou o que havia de melhor na época e por pouco não atingiu seus
objetivos.
Parabenizei os COs pelo sucesso e deixei com eles uma recomendação:
- Rebatizem os "Monumentos à Incompetência" como "Memoriais aos Heróis do
Passado". Foram eles que trouxeram vocês até aqui em cima."

(*) Luciano Pires é jornalista, escritor, conferencista e cartunista.

26/07/2011

DIA DOS AVÓS

Hoje é dia de SantAna e São Joaquim, ambos pais de Maria a Mãe de Jesus, portanto os avós de Jesus, por isso mesmo foi instituido nesta data o dia dos avós.
 Com esta oração, agradeço aos meus netos que enchem nossos coração de avós de felicidades nesta data, e nos outros dias também! 
Obrigada!
Beijos  



ORAÇÃO À SANT' ANA

Oh, tu que não és bendita entre todas as mulheres,
Mas que geraste aquela que é;
Tu que és, plenamente, uma de nós, irmã de nossas misérias e partícipe de nossas humilhações,
Estéril, cujo nome nos chega, entre as brumas da lenda,
Tu que alcançaste aquela que alcançou graça diante de Deus,
Fonte da fonte e mãe da Mãe que nos foi dada,
Roga por nós e pelos pobres frutos de nossos ventres,
Doces e amargos frutos que, como tu, queremos dar a Deus.
Tu que guiaste a que foi guia do Caminho,
Indica-nos a via.
Tu que ensinaste a que foi mestra daquele que é a Verdade,
Ensina-nos a ensiná-los.
Tu que deste à luz a Mãe da Vida,
Mostra-nos como gerá-los para a vida eterna.
Amem!
Parabéns aos vovós!
Que sejam respeitados e amados como merecem...
O DIA DA VOVÓ.
A TODAS AS VOVÓS MEU GRANDE ABRAÇO.
ÁS  AVÓS,  DO ANDAR DE BAIXO E As QUE ESTÃO NO ANDAR DE CIMA, MEU CARINHO  e ESPECIAL ABRAÇO...

24/07/2011

CRIAÇÕES ARTÍSTICAS COM FLORES

Um brinde aos amigos que nos visitam!
Obrigada!


                              Bichinhos Florais

Arte que exige escolha, técnica e paciência, muito linda!

22/07/2011

GERAÇÃO "EU MEREÇO"

ELIANE BRUM

       PAIS, LEIAM COM ATENÇÃO, POR FAVOR, ATÉ O FINAL

  Ao conviver com os bem mais jovens, com aqueles que se tornaram adultos há pouco e com aqueles que estão tateando para virar gente grande, percebo que estamos diante da geração mais preparada – e, ao mesmo tempo, da mais despreparada. Preparada do ponto de vista das habilidades, despreparada porque não sabe lidar com frustrações. Preparada porque é capaz de usar as ferramentas da tecnologia, despreparada porque despreza o esforço. Preparada porque conhece o mundo em viagens protegidas, despreparada porque desconhece a fragilidade da matéria da vida. E por tudo isso sofre, sofre muito, porque foi ensinada a acreditar que nasceu com o patrimônio da felicidade. E não foi ensinada a criar a partir da dor.
Há uma geração de classe média que estudou em bons colégios, é fluente em outras línguas, viajou para o exterior e teve acesso à cultura e à tecnologia. Uma geração que teve muito mais do que seus pais. Ao mesmo tempo, cresceu com a ilusão de que a vida é fácil. Ou que já nascem prontos – bastaria apenas que o mundo reconhecesse a sua genialidade.
Tenho me deparado com jovens que esperam ter no mercado de trabalho uma continuação de suas casas – onde o chefe seria um pai ou uma mãe complacente, que tudo concede. Foram ensinados a pensar que merecem, seja lá o que for que queiram. E quando isso não acontece – porque obviamente não acontece – sentem-se traídos, revoltam-se com a “injustiça” e boa parte se emburra e desiste.Como esses estreantes na vida adulta foram crianças e adolescentes que ganharam tudo, sem ter de lutar por quase nada de relevante, desconhecem que a vida é construção e para conquistar um espaço no mundo é preciso ralar muito. Com ética e honestidade e não a cotoveladas ou aos gritos. Como seus pais não conseguiram dizer, é o mundo que anuncia a eles uma nova não lá muito animadora: viver é para os insistentes.
Por que boa parte dessa nova geração é assim? Penso que este é um questionamento importante para quem está educando uma criança ou um adolescente hoje. Nossa época tem sido marcada pela ilusão de que a felicidade é uma espécie de direito. E tenho testemunhado a angústia de muitos pais para garantir que os filhos sejam “felizes”. Pais que fazem malabarismos para dar tudo aos filhos e protegê-los de todos os perrengues – sem esperar nenhuma responsabilização nem reciprocidade.
É como se os filhos nascessem e imediatamente os pais já se tornassem devedores. Para estes, frustrar os filhos é sinônimo de fracasso pessoal. Mas é possível uma vida sem frustrações? Não é importante que os filhos compreendam como parte do processo educativo duas premissas básicas do viver, a frustração e o esforço? Ou a falta e a busca, duas faces de um mesmo movimento? Existe alguém que viva sem se confrontar dia após dia com os limites tanto de sua condição humana como de suas capacidades individuais?
Nossa classe média parece desprezar o esforço. Prefere a genialidade. O valor está no dom, naquilo que já nasce pronto. Dizer que “fulano é esforçado” é quase uma ofensa. Ter de dar duro para conquistar algo parece já vir assinalado com o carimbo de perdedor. Bacana é o cara que não estudou, passou a noite na balada e foi aprovado no vestibular de Medicina. Este atesta a excelência dos genes de seus pais. Esforçar-se é, no máximo, coisa para os filhos da classe C, que ainda precisam assegurar seu lugar no país.
Da mesma forma que supostamente seria possível construir um lugar sem esforço, existe a crença não menos fantasiosa de que é possível viver sem sofrer. De que as dores inerentes a toda vida são uma anomalia e, como percebo em muitos jovens, uma espécie de traição ao futuro que deveria estar garantido. Pais e filhos têm pagado caro pela crença de que a felicidade é um direito. E a frustração um fracasso. Talvez aí esteja uma pista para compreender a geração do “eu mereço”.
Basta andar por esse mundo para testemunhar o rosto de espanto e de mágoa de jovens ao descobrir que a vida não é como os pais tinham lhes prometido. Expressão que logo muda para o emburramento. E o pior é que sofrem terrivelmente. Porque possuem muitas habilidades e ferramentas, mas não têm o menor preparo para lidar com a dor e as decepções. Nem imaginam que viver é também ter de aceitar limitações – e que ninguém, por mais brilhante que seja, consegue tudo o que quer.
A questão, como poderia formular o filósofo Garrincha, é: “Estes pais e estes filhos combinaram com a vida que seria fácil”? É no passar dos dias que a conta não fecha e o projeto construído sobre fumaça desaparece deixando nenhum chão. Ninguém descobre que viver é complicado quando cresce ou deveria crescer – este momento é apenas quando a condição humana, frágil e falha, começa a se explicitar no confronto com os muros da realidade. Desde sempre sofremos. E mais vamos sofrer se não temos espaço nem mesmo para falar da tristeza e da confusão.
Me parece que é isso que tem acontecido em muitas famílias por aí: se a felicidade é um imperativo, o item principal do pacote completo que os pais supostamente teriam de garantir aos filhos para serem considerados bem sucedidos, como falar de dor, de medo e da sensação de se sentir desencaixado? Não há espaço para nada que seja da vida, que pertença aos espasmos de crescer duvidando de seu lugar no mundo, porque isso seria um reconhecimento da falência do projeto familiar construído sobre a ilusão da felicidade e da completude.
Quando o que não pode ser dito vira sintoma – já que ninguém está disposto a escutar, porque escutar significaria rever escolhas e reconhecer equívocos – o mais fácil é calar. E não por acaso se cala com medicamentos e cada vez mais cedo o desconforto de crianças que não se comportam segundo o manual. Assim, a família pode tocar o cotidiano sem que ninguém precise olhar de verdade para ninguém dentro de casa.
Se os filhos têm o direito de ser felizes simplesmente porque existem – e aos pais caberia garantir esse direito – que tipo de relação pais e filhos podem ter? Como seria possível estabelecer um vínculo genuíno se o sofrimento, o medo e as dúvidas estão previamente fora dele? Se a relação está construída sobre uma ilusão, só é possível fingir.
Aos filhos cabe fingir felicidade – e, como não conseguem, passam a exigir cada vez mais de tudo, especialmente coisas materiais, já que estas são as mais fáceis de alcançar – e aos pais cabe fingir ter a possibilidade de garantir a felicidade, o que sabem intimamente que é uma mentira porque a sentem na própria pele dia após dia. É pelos objetos de consumo que a novela familiar tem se desenrolado, onde os pais fazem de conta que dão o que ninguém pode dar, e os filhos simulam receber o que só eles podem buscar. E por isso logo é preciso criar uma nova demanda para manter o jogo funcionando. O resultado disso é pais e filhos angustiados, que vão conviver uma vida inteira, mas se desconhecem. E, portanto, estão perdendo uma grande chance. Todos sofrem muito nesse teatro de desencontros anunciados. E mais sofrem porque precisam fingir que existe uma vida em que se pode tudo. E acreditar que se pode tudo é o atalho mais rápido para alcançar não a frustração que move, mas aquela que paralisa.Quando converso com esses jovens no parapeito da vida adulta, com suas imensas possibilidades e riscos tão grandiosos quanto, percebo que precisam muito de realidade. Com tudo o que a realidade é. Sim, assumir a narrativa da própria vida é para quem tem coragem. Não é complicado porque você vai ter competidores com habilidades iguais ou superiores a sua, mas porque se tornar aquilo que se é, buscar a própria voz, é escolher um percurso pontilhado de desvios e sem nenhuma certeza de chegada. É viver com dúvidas e ter de responder pelas próprias escolhas. Mas é nesse movimento que a gente vira gente grande.
Seria muito bacana que os pais de hoje entendessem que tão importante quanto uma boa escola ou um curso de línguas ou um Ipad é dizer de vez em quando: “Te vira, meu filho. Você sempre poderá contar comigo, mas essa briga é tua”. Assim como sentar para jantar e falar da vida como ela é: “Olha, meu dia foi difícil” ou “Estou com dúvidas, estou com medo, estou confuso” ou “Não sei o que fazer, mas estou tentando descobrir”. Porque fingir que está tudo bem e que tudo pode significa dizer ao seu filho que você não confia nele nem o respeita, já que o trata como um imbecil, incapaz de compreender a matéria da existência. É tão ruim quanto ligar a TV em volume alto o suficiente para que nada que ameace o frágil equilíbrio doméstico possa ser dito.
Agora, se os pais mentiram que a felicidade é um direito e seu filho merece tudo simplesmente por existir, paciência. De nada vai adiantar choramingar ou emburrar ao descobrir que vai ter de conquistar seu espaço no mundo sem nenhuma garantia. O melhor a fazer é ter a coragem de escolher. Seja a escolha de lutar pelo seu desejo – ou para descobri-lo –, seja a de abrir mão dele. E não culpar ninguém porque eventualmente não deu certo, porque com certeza vai dar errado muitas vezes. Ou transferir para o outro a responsabilidade pela sua desistência.
Crescer é compreender que o fato de a vida ser falta não a torna menor. Sim, a vida é insuficiente. Mas é o que temos. E é melhor não perder tempo se sentindo injustiçado porque um dia ela acaba.

(Eliane Brum escreve na revista EXAME).
OBS: Pessoas que tem filhos, escreveram que nunca um texto refletiu de forma tão precisa o que pensam em relação aos filhos e, por extensão, aos jovens com quem convivem ( geração Y) no trabalho.

21/07/2011

O CELIBATO

Resposta do Padre Fábio de Melo aos fiéis.

Ando pensando no valor de ser só.
Talvez seja por causa da grande polêmica que envolveu a vida celibatária nos últimos dias.
 Interessante como as pessoas ficam querendo arrumar esposas para os padres.
Lutam, mesmo que não as tenhamos convocado para tal, para que recebamos o direito de nos casar e constituir família.
Já presenciei discursos inflamados de pessoas que acham um absurdo o fato de padre não poder casar.
Eu também fico indignado, mas de outro modo.
Fico indignado quando a sociedade interpreta a vida celibatária como mera restrição da vida sexual.
Fico indignado quando vejo as pessoas se perderem em argumentos rasos, limitando uma questão tão complexa ao contexto do “pode ou não pode”.
A sexualidade é apenas um detalhe da questão.
 Castidade é muito mais.   Castidade é um elemento que favorece a solidão frutuosa, pois nos coloca diante da possibilidade de fazer da vida uma experiência de doação plena.  Digo por mim.
Eu não poderia ser um homem casado e levar a vida que levo. Não poderia privar os meus filhos de minha presença para fazer as escolhas que faço.
 O fato de não me casar não me priva do amor.
Eu o descubro de outros modos. Tenho diante de mim a possibilidade de ser dos que precisam de minha presença. Na palavra que digo, na música que canto e no gesto que realizo, o todo de minha condição humana está colocado. É o que tento viver. 
É o que acredito ser o certo.
Nunca encarei o celibato como restrição. Esta opção de vida não me foi  imposta.  Ninguém me obrigou ser padre, e quando escolhi o ser, ninguém me enganou.
Eu assumi livremente todas as possibilidades do meu ministério, mas também todos os limites.
Não há escolhas humanas que só nos trarão possibilidades.
Tudo é tecido a partir dos avessos e dos direitos.
É questão de maturidade.
Eu não sou um homem solitário, apenas escolhi ser só.
Não vivo lamentando o fato de não me casar.  Ao contrário, sou muito feliz sendo quem eu sou e fazendo o que faço. Tenho meus limites, minhas lutas cotidianas para manter a minha fidelidade, mas não faço desta luta uma experiência de lamento. Já caí inúmeras vezes ao longo de minha vida.
Eu não sou por acaso.
Sou fruto de um processo histórico que me faz perceber as pessoas que posso trazer para dentro do meu coração.
Deus me mostra. Ele me indica, por meio de minha sensibilidade, quais são as pessoas que poderão oferecer algum risco para minha castidade.
Eu não me refiro somente ao perigo da sexualidade.
 Eu me refiro também às pessoas que querem me transformar em “propriedade privada”. 
Querem depositar sobre mim o seu universo de carências e necessidades, iludidas de que eu sou o redentor de suas vidas.
Contra a castidade de um padre se peca de diversas formas. É preciso pensar sobre isso. Não se trata de casar ou não. Casamento não resolve os problemas do mundo.
Nem sempre o casamento acaba com a solidão. Vejo casais em locais públicos em profundo estado de solidão. Não trocam palavras, nem olhares. Não descobriram a beleza dos detalhes que a castidade sugere.
Fizeram sexo demais, mas amaram de menos. Faltou castidade, encontro frutuoso, amor que não carece de sexo o tempo todo, porque sobrevive de outras formas de carinho.
É por isso que eu continuo aqui, lutando pelo direito de ser só, sem que isso pareça neurose ou imposição que alguém me fez.
 Da mesma forma que eu continuo lutando para que os casais descubram que o casamento também não é uma imposição.  Só se casa aquele que quer.
Por isso perguntamos sempre – É de livre e espontânea vontade que o fazeis?
– É simples. Castos ou casados, ninguém está livre das obrigações do amor. 
 A fidelidade é o rosto mais sincero de nossas predileções. 
A graça desça sobre cada um de vocês, meus filhos!
Que Deus lhes abençoe em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo  AMÉM!


20/07/2011

FILOSOFIA DO ABRAÇO

 AMIGOS E COLEGAS


Desliguem o som
Uma semana de reflexão e paz...

"AVE MARIA" Paula Fernandes

video

Nunca o mundo precisou tanto de sua Mãe, para interceder por nós, junto ao seu filho, JESUS!

19/07/2011

COMENTÁRIO SÉRIO



LUIZ CARLOS PRATES - SBT

Concordo e assino em baixo...

18/07/2011

Fim da árvore genealógica
Luiz Fernando Veríssimo

Vai ser avó de quem?
Mãe, vou casar!
Jura, meu filho ?! Estou tão feliz ! Quem é a moça ?
Não é moça. Vou casar com um moço.. O nome dele é Murilo.
Você falou Murilo... Ou foi meu cérebro que sofreu um pequeno surto psicótico?
Eu falei Murilo. Por que, mãe? Tá acontecendo alguma coisa?
Nada, não... Só minha visão que está um pouco turva.
E meu coração, que talvez dê uma parada. No mais, tá tudo ótimo.
Se você tiver algum problema em relação a isto, melhor falar logo...
Problema ? Problema nenhum. Só pensei que algum dia ia ter uma nora... Ou isso.
Você vai ter uma nora. Só que uma nora.... Meio macho.
Ou um genro meio fêmea. Resumindo: uma nora quase macho, tendendo a um genro quase fêmea...
E quando eu vou conhecer o meu... A minha...
O Murilo ?
Pode chamar ele de Biscoito. É o apelido.
Tá ! Biscoito... Já gostei dele.. Alguém com esse apelido só pode ser uma pessoa bacana.
Quando o Biscoito vem aqui ?
Por quê ?
Por nada. Só pra eu poder desacordar seu pai com antecedência.
Você acha que o Papai não vai aceitar ?
Claro que vai aceitar! Lógico que vai. Só não sei se ele vai sobreviver.. .
Mas isso também é uma bobagem. Ele morre sabendo que você achou sua cara-metade.
E olha que espetáculo: as duas metade com bigode.
Mãe, que besteira ... Hoje em dia ... Praticamente todos os meus amigos são gays.
Só espero que tenha sobrado algum que não seja... Pra poder apresentar pra tua irmã.
A Bel já tá namorando.
A Bel? Namorando ?! Ela não me falou nada... Quem é?
Uma tal de Veruska.
Como ?
Veruska...
Ah !, bom! Que susto! Pensei que você tivesse falado Veruska.
Mãe !!!...
Tá.., tá..., tudo bem...Se vocês são felizes. Só fico triste porque não vou ter um neto ..
Por que não ? Eu e o Biscoito queremos dois filhos. Eu vou doar os espermatozóides.
E a ex-namorada do Biscoito vai doar os óvulos.
Ex-namorada? O Biscoito tem ex-namorada?
Quando ele era hétero... A Veruska.
Que Veruska ?
Namorada da Bel...
"Peraí". A ex-namorada do teu atual namorado... E a atual namorada da tua irmã .
Que é minha filha também... Que se chama Bel. É isso? Porque eu me perdi um pouco...
É isso. Pois é... A Veruska doou os óvulos. E nós vamos alugar um útero...
De quem ?
Da Bel.
Mas . Logo da Bel ?! Quer dizer então... Que a Bel vai gerar um filho teu e do Biscoito.
Com o teu espermatozóide e com o óvulo da namorada dela, que é a Veruska.
Isso.
Essa criança, de uma certa forma, vai ser tua filha, filha do Biscoito, filha da Veruska e filha da Bel.
Em termos....
A criança vai ter duas mães : você e o Biscoito. E dois pais: a Veruska e a Bel.
Por aí...
Por outro lado, a Bel....,além de mãe, é tia... Ou tio... Porque é tua irmã.
Exato. E ano que vem vamos ter um segundo filho.
Aí o Biscoito é que entra com o espermatozóide.
Que dessa vez vai ser gerado no ventre da Veruska...
Com o óvulo da Bel. A gente só vai trocar.
Só trocar, né ? Agora o óvulo vai ser da Bel. E o ventre da Veruska.
Exato!
Agora eu entendi ! Agora eu realmente entendi...
Entendeu o quê?
Entendi que é uma espécie de swing dos tempos modernos!
Que swing, mãe ?!!....
É swing, sim ! Uma troca de casais...
Com os óvulos e os espermatozóides, uma hora no útero de uma, outra hora no útero de outra.....
Mas...
Mas uns tomates! Isso é um bacanal de última geração! E pior... Com incesto no meio..
A Bel e a Veruska só vão ajudar na concepção do nosso filho, só isso...
Sei !!! ... E quando elas quiserem ter filhos...
Nós ajudamos.
Quer saber ? No final das contas não entendi mais nada.
Não entendi quem vai ser mãe de quem, quem vai ser pai de quem, de quem vai ser o útero, o espermatozóide. ..
A única coisa que eu entendi é que...
Que.... ?
Fazer árvore genealógica daqui pra frente... vai ser foda.

* (Luiz Fernando Veríssimo)

17/07/2011

NUNCA HAVERÁ UM OUTRO ITAMAR

ASSIM ESTAMPAVA A PRIMEIRA PÁGINA DE UM JORNAL MINEIRO!

ITAMAR FRANCO

Ele, o homem se foi há alguns dias atrás..
- O exemplo permanece.
Retidão, ética era reconhecida até mesmo por seus adversários políticos.
Mineiro por adoção, nasceu na Bahia, mas, foi criado em Juiz de Fora onde iniciou sua carreira política: - Itamar Franco!
Ético
Obstinado
Inflexível
Franco
Sincero,
Verdadeiro...
Itamar não conseguiu apenas converter sobrenome em atributo.
Foi além: no universo tão afoito como o da política atravessou as tormentas sem transgredir nas trevas da dissimulação.
Por duas vezes se elegeu prefeito e senador. Foi vice do Collor e com o impeachment, em 1992, assumiu a Presidência da República. O Plano Real foi criado em seu governo.
Em 98 tornou-se governador de Minas e no ano passado foi eleito para o senado.
Sempre  manteve a integridade, e manteve sua família longe das lentes dos fotógrafos e longe das fofocas da imprensa. Só agora nos surpreendeu o aparecimento de suas filhas ao vê-las, discretas e tristes, ao lado do caixão.
No caso Itamar, o que se fez e o que se fará é registrar o fim de uma trajetória com o devido reconhecimento do valor de uma personalidade impar, valente. Outros políticos surgirão mas, de antemão sabemos que será quase impossível encontrar alguém com o perfil e a vocação desse defensor incondicional de Minas Gerais e do Brasil! Foi o que reconheceu a presidente Dilma Rousseff em nota, ao citar: “Uma trajetória exemplar de honradez pública!

16/07/2011

UM EXCELENTE COMENTÁRIO

Recebí este comentário no post "DESPEDIDA DO TREMA", feito pelo mestre e amigo João, lá de Portugal, honrando-me com sua visita. 
Como nem todos lêm os comentários resolví dividi-lo com você, na íntegra.

"Permita que aqui coloque o comentário já colocado no nosso blogue Sempre Jovens, com pequenos retoques.

Os políticos que gerem a nossa vida pública falam muito de liberdade, de direitos humanos e de respeito pelas pessoas. Puro engano, falácias, aldrabices é o que tais discursos são.

Na realidade, nós somos obrigados a vegetar num cárcere, sujeitos a 1001 regras e a milhões de pequenas alíneas que nos restringem os gestos, as palavras, as acções. Ao respirar e fazer um gesto, temos ou devemos pensar se estamos legais, se estamos a cumprir todas essa miríades de condicionamentos, porque pode aparecer um policial com bastão a agredir-nos, a interrogar-nos e fazer pagar uma coima, ou a irmos detidos e ter de responder em tribunal e pagar a um defensor.

Essa mentalidade de carrascos e de guardas prisionais é geral em todo o vil ser humano que é investido de poder. Abusam, com arrogância e teimoso autoritarismo.

Isso acontece em todos os aspectos da vida humana e, por isso, surgem os condicionamentos variados como os do trânsito, quase sempre incoerentes, desnecessários e inúteis que não impedem a sinistralidade, e agora surgiu a imposição de alterações da escrita em vez de a deixar evoluir com a prática como sempre aconteceu desde os tempos mais remotos até hoje.

Quem parte leva saudades, quem fica saudades tem. O trema faz sua despedida, com muita dignidade, com o valor de quem deseja ser recordado com apreço. Só quem tem valor intrínseco e muita categoria no domínio do idioma, que nos deixam ter, consegue expressar-se de forma tão digna. Por isso, o trema merece estas minhas cogitações que lhe dedico com companheirismo e apreço.

Oxalá os guardas vigilantes que nos condicionam a existência não nos imponham uma moda estranha em nome da igualdade de rebanho. Sou alérgico a tal domínio" castrador.

Beijos
João


Amigo, JOÃO, esta foi a forma que encontrei de demonstrar-lhe meu reconhecimento!
Obrigada!

13/07/2011

BODAS DE PRATA

O QUE É VIVER BEM?


Cora Coralina poetiza
   Um repórter perguntou à CORA CORALINA (poeta que viveu até 95 anos) o que é viver bem?
Ela respondeu: - “Eu não tenho medo dos anos e não penso em velhice.  E digo prá você, não pense.
Nunca diga estou envelhecendo ou estou ficando velha. Eu não digo. Eu não digo que estou ouvindo pouco. É claro que quando preciso de ajuda, eu digo que preciso.
Procuro sempre ler e estar atualizada com os fatos e  isso me ajuda a vencer as dificuldades da vida. O melhor roteiro é ler e praticar o que lê.
 O bom é produzir sempre e não dormir de dia.
Também não diga prá você que está ficando esquecida, porque assim você fica mais.
Nunca digo que estou doente, digo sempre: estou ótima. Eu não digo nunca que estou cansada. Nada de palavra negativa. Quanto mais você diz estar ficando cansada e esquecida, mais esquecida fica. Você vai se convencendo daquilo e convence os outros.
Então silêncio!
Sei que tenho muitos anos. Sei que venho do século passado, e que trago comigo todas as idades, mas não sei se sou velha não. Você acha que eu sou?
Tenho consciência de ser autêntica e procuro superar todos os dias minha própria personalidade, despedaçando dentro de  mim tudo que é velho e morto, pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes.
O importante é semear, produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade. Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça.
Digo o que penso, com esperança.
Penso no que faço, com fé.
Faço o que devo fazer, com amor.
Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois, bondade também se aprende.”

DESPEDIDA DO TREMA


Simplesmente fantástico !!! Não sei quem escreveu, mas quem assina é o TREMA ...
É uma tremenda aula de criatividade e bom humor, por sinal, com acentuada inteligência. A consequência não poderia ser outra: uma agradável leitura...


Despedida do TREMA
Estou indo embora. Não há mais lugar para mim. Eu sou o trema. Você pode nunca ter reparado em mim, mas eu estava sempre ali, na Anhangüera, nos aqüíferos, nas lingüiças e seus trocadilhos por mais de quatrocentos e cinqüentas anos.
Mas os tempos mudaram. Inventaram uma tal de reforma ortográfica e eu simplesmente tô fora. Fui expulso pra sempre do dicionário. Seus ingratos! Isso é uma delinqüência de lingüistas grandiloqüentes!...
O resto dos pontos e o alfabeto não me deram o menor apoio... A letra U se disse aliviada porque vou finalmente sair de cima dela. Os dois pontos disse que seu sou um preguiçoso que trabalha deitado enquanto ele fica em pé.
Até o cedilha foi a favor da minha expulsão, aquele C cagão que fica se passando por S e nunca tem coragem de iniciar uma palavra. E também tem aquele obeso do O e o anoréxico do I.
Desesperado, tentei chamar o ponto final pra trabalharmos juntos, fazendo um bico de reticências, mas ele negou, sempre encerrando logo todas as discussões.
Será que se deixar um topete moicano posso me passar por aspas?... A verdade é que estou fora de moda. Quem está na moda são os estrangeiros, é o K e o W, "Kkk" pra cá, "www" pra lá.
Até o jogo da velha, que ninguém nunca ligou, virou celebridade nesse tal de Twitter, que aliás, deveria se chamar TÜITER.
Chega de argüição, mas estejam certos, seus moderninhos: haverá conseqüências! Chega de piadinhas dizendo que estou "tremendo" de medo.
Tudo bem, vou-me embora da língua portuguesa. Foi bom enquanto durou. Vou para o alemão, lá eles adoram os tremas. E um dia vocês sentirão saudades. E não vão agüentar!...
Nós nos veremos nos livros antigos. saio da língua para entrar na história.
Adeus,
Trema.

12/07/2011

JA SORRIU HOJE???

Que sorriso FELIZ, emocionante!
Quanta atitude!
Que exemplo de vida!
Muito maroto...

Santa inocência

 Pra você que acordou hoje com preguiça de ir trabalhar, ou se encontra desmotivado, magoado com alguém veja se o seu desconforto é maior que o dele.
Tenho certeza que a frase que segue abaixo é a mais pura verdade.
“Entender a vontade de Deus nem sempre é fácil, mas crer que Ele está no comando e tem um plano pra nossa vida, faz a caminhada valer à pena". Quando algo não sair do seu contento , não esbraveje .
Silencie e veja o que de novo você pode aprender com isso.
Nada é por acaso e tudo tem um propósito.
Com carinho e com o desejo de uma semana próspera e abençoada!!!

FIM DE UM RELACIONAMENTO


Ontem, alegria e felicidade, hoje, dor e separação...


Por Ilana Ramos
ACABOU, E AGORA?
O fim de um relacionamento é difícil para ambas as partes: para a que desejava e para a que não desejava o fim.
 “Para quem desejou e provocou o fim da relação, o término pode ser difícil. Muitas vezes a pessoa terá que lidar com sentimentos de culpa ao perceber como a outra parte foi afetada. Mas é especialmente difícil para a pessoa que não desejava o fim da relação. Os sentimentos não somem de um dia para o outro. Suportar a ideia que você morreu dentro do outro, que ele não pensa mais em você e que você não fará mais parte da vida dele é muito duro para quem ainda gosta”.
Homens e mulheres lidam com o fim de maneiras distintas.
Segundo a psicóloga, Mirian Barros “os homens tentam ser mais racionais e começam a sair logo e procurar outra companhia com mais rapidez. Para eles é muito difícil sofrer por amor e eles tentam se livrar rapidamente desse sentimento. As mulheres, por sua vez, tendem a buscar a companhia das amigas e da família, demorando mais para desejar outra companhia. Acho que elas demonstram mais o que sentem e assumem o seu sofrimento mais do que os homens. O término faz sofrer, chorar e dói, mas o luto tem um tempo para terminar e nunca é bom passar sozinho por esse período".
“O melhor a fazer nessa hora é buscar apoio em pessoas amigas e falar do assunto, tentar entender o que aconteceu e chorar até esgotar. Mas essa dor precisa ter tempo para terminar. É preciso se desligar emocionalmente do outro. Isso significa abandonar as velhas lembranças e ilusões da relação que acabou, enxergar a realidade e investir em novos projetos. Esses novos projetos ajudam a enriquecer a vida e dão um novo ânimo, ajudam a enxergar que a vida tem muitas coisas boas para oferecer. Os horizontes se ampliam quando se começa a investir em cursos, viagens, programas diferentes”.

11/07/2011

BODAS DE PRATA

UMA GRANDE CONQUISTA!

FELICITAMOS O CASAL E SEUS FILHOS, NESTA DATA TÃO ESPECIAL!!!

10/07/2011

Atitudes


Existem pessoas que se sentem ofendidas, magoadas por qualquer coisa: à mais leve contrariedade, se sentem humilhadas...
Ora, nós não viemos a este mundo para nos banhar em águas de rosas...
Agradeço todas as dificuldades que enfrentei; não fosse por elas, eu não teria saído do lugar...
As facilidades nos impedem de caminhar. Mesmo as críticas nos auxiliam muito.
Quando você não tiver uma palavra que auxilie, procure não abrir a boca...
Sabemos que precisamos de certos recursos, mas o Senhor não nos ensinou a pedir o pão, mais dois carros, mais um avião... Não precisamos de tanta coisa para colocar tanta carga em cima de nós. Podemos ser chamados hoje à Vida Espiritual...
Tudo que criamos para nós, de que não temos necessidade, se transforma em angústia, em pressão...
Valorizemos o amigo que nos socorre, que se interessa por nós, que nos escreve, que nos telefona para saber como estamos indo...
A amizade é uma dádiva de Deus...
Mais tarde, haveremos de sentir falta daqueles que não nos deixam experimentar solidão!
A caridade é um exercício espiritual... Quem pratica o bem, coloca em movimento as forças da alma. Quando os espíritos nos recomendam, com insistência a prática da caridade, eles estão nos orientando no sentido de nossa própria evolução; não se trata apenas de uma indicação ética, mas de profundo significado filosófico...
Tudo o que pudermos fazer no bem, não devemos adiar... Carecemos somar esforços, criando, digamos, uma energia dinâmica que se anteponha às forças do mal...
...Ninguém tem o direito de se omitir.
Uma das mais belas lições que tenho aprendido com o sofrimento: Não julgar, definitivamente não julgar a quem quer que seja.
O exemplo é uma força que repercute, de maneira imediata, longe ou perto de nós... Não podemos nos responsabilizar pelo que os outros fazem de suas vidas; cada qual é livre para fazer o que quer de si mesmo, mas não podemos negar que nossas atitudes inspiram atitudes, seja no bem quanto no mal.
Fico triste quando alguém me ofende, mas, com certeza, eu ficaria mais triste se fosse eu o ofensor...
Magoar alguém é terrível!...
Tudo tem seu apogeu e seu declínio... É natural que seja assim; todavia, quando tudo parece convergir para o que supomos o nada, eis que a vida ressurge, triunfante e bela!... Novas folhas, novas flores, na indefinida bênção do recomeço!...

Chico Xavier










06/07/2011

Blog do Ramon Lamar: Pessoa desaparecida. Vamos ajudar...

Em solidariedade ao amigo Ramon e à familia do desaparecido faço questão de aqui publicar esta triste notícia, se alguem puder ajudar se manifeste por favor!
Obrigada, celle
Blog do Ramon Lamar: Pessoa desaparecida. Vamos ajudar...: " Kléber do Carmo foi visto pela última vez no Município de Lagoa Santa , Minas Gerais . Segundo seu cliente, ele entrou em um ônibus c..."

CONTRA QUEM LUTAMOS!


Todos nós conhecemos os animais que habitam nosso ser.
São as nossas feras que precisam ser domadas no dia a dia!
Feras domadas Ser Humano melhor!!!

BODAS DE PRATA

DE MÃE PRA FILHA!!!
PARABENS!   FELICIDADES!
"Uma data marcante...
nela chega, quem se ama bastante...
Nem todos conseguem essa felicidade,
e ficam apenas na saudade...
Por vezes, falta paciência...
Conviver em paz, é uma ciência...
25 anos de casamento... é uma vitória...
Chegar até aqui em paz... é uma glória...
Olha-se para trás... para o passado...
Sempre, algum momento complicado...
Alguma divergência,
atrapalhando a convivência...
Momentos superados...
Problemas ultrapassados...
Bodas de Prata... quanta emoção...
Muita alegria e felicidade no coração...
Data para ser comemorada,
para sempre lembrada...
Um beijo e um abraço especial...
É um evento sensacional...
Os anos que ficaram no passado...
O primeiro grande marco a ser ultrapassado...
Para o rosto amado olhar...
E muito se emocionar...
Ter sempre o mesmo desejo,
de lhe dar um grande beijo...
É necessário cultivar sempre o amor...
não deixá-lo perder o calor...
Sempre trocar aquele carinho,
chamando-o de benzinho...
Muitas carícias... respeito... ternura...
diálogo... amor... paixão... doçura...
Marcas da felicidade...
Data a ser lembrada sempre não importando a idade!"  
()         Parabens!
                                   Feliz aniversário!
                                    MÃE...   09/07/2011
Trabalho  celle em  IMAGEM DA NET